domingo, 11 de dezembro de 2011

´´ A JUSTIÇA EXALTA AS NAÇÕES ´´



Salomão, o autor dos Provérbios da Bíblia, destilou um dos seus pensamentos com estas palavras: “A justiça exalta as nações, mas o pecado é o opróbrio dos povos”, Pv 14.34. A mensagem do cristianismo tem sua base na justiça. A Igreja de Cristo está na Terra como representante dessa justiça divina através do Evangelho que prega. O apóstolo Paulo declarou na Carta aos Romanos que “o Evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Rm 1.16). Ora, esse Evangelho é, portanto, a manifestação do poder de Deus, que faz justiça contra o pecado e a favor do pecador arrependido.

O significado da justiça no contexto do propósito salvífico de Deus é demonstrada através do Evangelho de Jesus Cristo. É aquela justiça que liberta o homem da servidão ao pecado e mostra-lhe um novo caminho. Na mente do sábio Salomão, “a justiça que exalta as nações” é aquela baseada na retidão, e qualquer nação que queira ter força moral contra a injustiça deverá desenvolver um senso do que é certo e errado. Por outro lado, quando ele declara que “o pecado é o opróbrio dos povos”, se referia àqueles pecados que corroem os valores morais e espirituais de um povo e destroem suas esperanças.

Não podemos deixar de considerar o poder da justiça de Deus. Não há espaço suficiente para aprofundar filosófica e teologicamente a questão da justiça divina, por isso prefiro abordar o assunto mais objetivamente.

Já dissemos que o Evangelho de Cristo é a Boa Nova da manifestação da justiça de Deus na Terra. O apóstolo Paulo declarou que “no Evangelho se manifesta a justiça de Deus de fé em fé” (Rm 1.17). O ato de fé implica reconhecer que a obra expiatória de Cristo foi uma manifestação da justiça de Deus para redimir o homem dos seus pecados. Quando se exerce fé na obra expiatória de Cristo, o poder dessa obra produz transformação de vida e caráter, e Cristo se torna o nosso justificador.

Uma escritura bíblica diz que “Se alguém está em Cristo, nova criatura é” (2Co 5.17). Os transformados produzem uma sociedade justa e temente a Deus. Por isso a Bíblia afirma: “Bem-aventurada a nação cujo Deus é o Senhor”. Esse poder do Evangelho operado pela justiça de Deus produz um padrão de vida capaz de influir até mesmo nos destinos de uma nação.

Entendemos, portanto, que “a justiça que exalta as nações” é aquela cujo padrão de vida tem sua base na Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, uma vez que ela oferece o autêntico modo de vida ideal para o homem, para um povo e para toda uma nação. É, também, aquele tipo de justiça que torna os cidadãos de uma nação responsáveis no cumprimento de seus deveres para com Deus, com a família e com a nação.

domingo, 20 de novembro de 2011

´´ A DOUTRINA DAS PRIMICIAS ``

Há pouco fiquei sabendo de uma nova modalidade gospel de tirar dinheiro do povo.Pois é, eis que surgiu retumbante no território tupiniquim a doutrina das prímicias.

Segundo os defensores desta nova modalidade de "contribuição financeira " , todo crente em Jesus deve oferecer ao seu líder as primicias de sua renda. Nesta perspectiva, o cristão além de ofertar e dizimar na igreja ele precisa prioritariamente HONRAR com suas finanças aquele que o lidera.

O Patriarca apóstólico Renê Terranova em seusite oficial tem a cara de pau em afirmar que a primícia é uma semente tão singular, que mesmo antes de se instalar qualquer outra doutrina na Terra, depois da queda de Adão, o assunto que moveu o céu para terra foi a primícia.Segundo o Paipóstolo, Deus disse que Se moveria a favor de Abel. A primícia foi o primeiro assunto ventilado de discussão na Terra, entre o irmão mais velho com o irmão mais novo. Então, só nos resta o entendimento espiritual, e não a paga de um imposto novo, pois onde tiver a honra, ganhamos o respeito de Deus.

O profeteiro de GEZUIZ também afirma que muitos ganham por entregar em fidelidade o dízimo, outros prosperam em entregar a oferta, mas outros tantos que dizimam e ofertam perdem tudo por não terem a sabedoria de não guardar o princípio da primícia. É a primícia que traz a honra e libera o favor do Eterno. Deus nunca travou uma guerra com ninguém sobre nada a não ser mover-se na terra por causa das primícias. Então, a primícia é o sinal que atrai a presença do Senhor para uma visita sobrenatural no nosso território (Gênesis 4).
Caro leitor, as vezes sou tentado a achar que vaca foi para o brejo! Lamentavelmente a capacidade de alguns dos denominados líderes evangélicos em produzir heresias é absurdamente impressionante!
Confesso que estou profundamente estupefacto com a mais nova afirmação "Terranoviana". Ora, afirmar que depois da queda a primeira providência divina foi instaurar a doutrina das primicias é demais da conta não é verdade?
Pois é, sabe qual é o problema? Esses caras se acham maiores que as Escrituras, mais importantes que os apóstolos de Cristo, a última Coca-cola do deserto.
Há pouco soube de apóstolo moderno que ao pregar sobre a segunda carta de Pedro soltou a seguinte pérola: "Se eu pudesse falar com Pedro, de apóstolo para apóstolo diria que ele errou aqui."
Prezado amigo, diante das sandices apostólicas ouso afirmar sem a menor sombra de dúvidas que a maioria das doutrinas dos neopentecostais fazem-nos por um momento pensar que regressamos aos tenebrosos dias da idade média, onde o misticismo, a “mercantilização” da fé, bem como as manipulações religiosas por parte de pseudo-apóstolos, se mostram presentes.
O reformador João Calvino costumava dizer que o verdadeiro conhecimento de Deus está na Bíblia, e de que ela é o escudo que nos protege do erro. Em tempos difíceis como o nosso precisamos regressar à Palavra de Deus, fazendo dela nossa única regra de fé, prática e comportamento, até porque, somente assim conseguiremos corrigir as distorções evangélicas que tanto nos tem feito ruborizar.

“Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo”. Colossenses 2.8

“Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas. Tu , porém, sê sóbrio em tudo , sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério”. 2Tm 4.3-5

ADULTÉRIO VIRTUAL E AS CONSEQUENCIAS DO SEXO IRRESPONSAVEL

Redes sociais de infidelidade chegam ao Brasil

A bananização da infidelidade conjugal tem chegado a níveis alarmantes.

A onda das redes sociais voltadas para a traição conjugal expande-se a cada dia e o Brasil, infelizmente, tem sido um dos seus principais alvos. Como exemplo, uma das redes - recentemente implantada no Brasil - promete "um espaço exclusivo para homens e mulheres que desejam conservar seu matrimônio para encontrar intimidade em outro lugar". Numa ação de marketing, ela espalhou outdoors no Rio de Janeiro com os seguintes dizeres: "Tenha um caso agora, arrependa-se depois".

É triste (e revoltante) ver o modo como a sociedade atual faz chacota do matrimônio, ao mesmo tempo em que cria uma indústria de lucro com o adultério.

O ponto de partida do esfacelamento da sociedade é exatamente a concepção equivocada sobre o sexo e a sua entronização como meio condutor de salvação e transformação. Charles Colson e Nancy Pearcey observam que “o sexo é parte vital da ordem criada por Deus, compondo a sagrada aliança do casamento; nossa natureza sexual é um bom presente divino. Porém, para muitos pensadores modernos, a sexualidade tornou-se a base de uma cosmovisão inteira, a fonte de significado e cura, um meio de redenção. O sexo tem sido exaltado a ponto de nos elevar a nós mesmos para o próximo nível da evolução, criando um novo tipo de natureza humana e uma avançada civilização”, e que “a sexualidade está claramente sendo apresentada como mais do que uma mera gratificação ou deleite sensual. Não é nada menos que uma forma de redenção, um meio para curar a falha fundamental da natureza humana” (p. 294).

Ou seja, o homem natural moderno está tentando se salvar e se libertar por meio da prática sexual. Por esse motivo, o lobby da sexualidade irrestrita avança assustadoramente em todos os ambientes da sociedade, seja na política, na educação, na mídia ou até mesmo dentro das famílias. A defesa do “sexo sem amarras e sem preconceito”, é preciso dizer, não é uma visão inocente, mas sim uma ideologia devidamente estabelecida, que, por meio dos seus “evangelistas”, vai tentando transformar os homens, visando a libertá-los dos “constrangimentos da moralidade” e introduzindo uma sociedade ideal.

Embora o hedonismo não seja capaz de formar uma cosmovisão inteira, consegue, contudo, minar a resistência daquela na qual está inserida, isso porque tal concepção traz consigo não somente a promiscuidade, a banalização do sexo e a vulgaridade nos relacionamentos entre homem e mulher, mas também uma série de trágicas conseqüências, tanto para o indivíduo quanto para a sociedade de uma forma geral.

É possível constatar essa verdade ao analisar que, historicamente, a liberalização estabanada do sexo, fundamentada somente no prazer irresponsável, trouxe consigo o aumento da AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis; sem falar ainda o crescimento da gravidez na adolescência, os abortos, as crianças abandonadas, famílias desestruturadas com mães e/ou pais solteiros. Nessa mesma linha, podemos citar ainda que a concepção equivocada sobre a sexualidade contribuiu com o aumento da violência sexual, o abuso infantil, o atentado violento ao pudor e ao estupro.

Não bastasse isso, Francis Schaeffer (Como Viveremos, p. 163) escreve que Edward Gibbon, em seu livro Declinio e Queda do Império Romano, dizia que vários fatores levaram o Império Romano à bancarrota, entre eles, o apego exagerado ao sexo. Ele asseverou que os seguintes cinco fatores marcaram o fim de Roma: primeiro, um forte amor pelo espetáculo e pela suntuosidade; segundo, uma crescente discrepância entre ricos e pobres; terceiro, uma obsessão pelo sexo; quarto, excentricidade nas artes, mascarada como originalidade, e entusiasmo fingindo ser criatividade; em quinto lugar, um crescente desejo de viver fora do Estado.

Portanto, a obsessão pelo sexo traz consigo, não somente prejuízo para o indivíduo, mas para a sociedade como um todo. E as redes sociais para a traição conjugal são mais uma prova do quanto perto a sociedade está do abismo, caso não encontre o caminho da redenção: Cristo.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

´´´ ANSIEDADE ´´



Ansiedade
Vença a ansiedade através da fé inabalável em Cristo

Introdução

Embora a ansiedade seja um sentimento próprio e comum ao homem, Deus não o criou para viver ansioso. O Senhor o fez perfeito, justo e bom. Criado à imagem de Deus, o homem desfrutava de completa harmonia orgânica, mental, espiritual e sentimental. Ele era completo. A natureza do homem refletia à imagem moral e natural do Senhor. A imagem moral diz respeito aos atributos morais (amor, justiça, verdade, bondade, etc), enquanto a natural aos atributos da personalidade e natureza humana (livre-arbítrio, razão, emoção, etc).

O equilíbrio entre a imagem moral e natural era a razão da felicidade, saúde, paz e quietude humana. Nem mesmo as obrigações do homem no jardim do Éden ("lavrar" e "guardar") roubavam-lhe a serenidade, pois tudo estava em completa harmonia e integridade. Porém, com a Queda, as imagens natural e moral sofreram profundas mudanças, decorrentes da desobediência do primeiro casal. A harmonia entre espírito, alma e corpo foi terrivelmente afetada. Os desejos do homem opuseram-se à sua vontade. O conflito se estabeleceu; o pecado dominou; e o homem passaria a comer "no suor do teu rosto" (Gn 3.19).

Por conseguinte, a ansiedade e os cuidados com a vida humana tornaram-se parceiras indissociáveis do labor humano. A aflição, angústia, e fobia acompanharam, desde então, as realizações humanas. Ainda hoje a natureza humana é estigmatizada por esses dolorosos sentimentos.

Definição

A ansiedade é um estado emocional mórbido, doloroso, marcado por inquietude, medo e perturbação do sistema nervoso central. É um mal-estar físico e psíquico que aflige e afeta as emoções humanas provocando inquietude, preocupação, algumas vezes, indevida. A ansiedade manifesta-se diante de várias situações, entre elas: de um perigo real ou presumido; expectativa; entrevista de emprego; grandes decisões; sentimento de incapacidade, entre outras. Vejamos dois tipos básicos de ansiedade: natural e crônica.

a) Ansiedade natural: Este tipo de ansiedade está intrinsecamente relacionado à natureza humana. Certo grau de ansiedade ajuda o indivíduo a se preparar para certos desafios. Essa ansiedade se caracteriza por um sentimento positivo de preocupação advindo das prementes responsabilidades do indivíduo.

b) Ansiedade crônica: Esta forma de ansiedade é doentia, crônica e responsável pelo mal-estar físico e psíquico do indivíduo. Apresenta diversas reações orgânicas, como a sudorese, fadiga, cefaleia, taquicardia, nervosismo. Como doença emocional, manifesta-se: a fobia, a insônia, o estresse, a confusão mental, a inquietude, entre outros. Mesmo na vida teologal, a ansiedade crônica é um estorvo, pois os sintomas emocionais e físicos, de uma forma ou de outra, afetam a vida espiritual do crente. Entre os sintomas teologais, podemos destacar: dificuldade de meditar na Palavra de Deus, fruto da inquietude; fé vacilante, etc.

Visão Teológica a respeito da Ansiedade

Como afirmamos na introdução, Deus criou o homem perfeito. A ansiedade crônica, teologicamente considerada, é fruto do pecado. A desobediência dos nossos primeiros pais afetou a harmonia entre espírito, alma e corpo. A ansiedade não é uma doença do corpo, mas da alma que almeja, que sente, que ama, que teme. É a condição humana após a Queda.

Algumas vezes, a ansiedade crônica é acompanhada de um grau de culpa, como por exemplo, a dos irmãos de José, em Gn 42.21. O substantivo hebraico tsar, traduzido pela ARA por "ansiedade", é usado em diversos contextos, mas em Gn 42.21, refere-se a angústia, aflição e ansiedade advindas da culpa, da consciência perturbada pelo erro, pelo pecado. Neste aspecto, temos a ansiedade como produto da culpa, do erro, do pecado.

Um outro vocábulo que descreve esse tipo de doença, que agora não aparece mais como sendo do corpo ou da alma, mas do espírito, note bem "do espírito", é mōrek. Este termo aparece em Lv 26.36 no contexto em que Deus "põe sua face contra os judeus" (v.17). O vocábulo significa fraqueza, e procede de uma raiz cujo sentido é "mole", "suave" ou "macio". O castigo divino sobre o povo seria o de "amolecer-lhe" o coração diante dos inimigos de tal forma que teriam fobia do barulho de uma simples folha. A ARA traduz a palavra por "ansiedade", descrevendo o medo incontido oriundo de tal emoção.

Os temos que descrevem a ansiedade na Bíblia, principalmente no Antigo Testamento, são vários: Sl 38. 9 ('ănāchâ – gemer, suspirar [ansiedade/ARA]); Pv 12.25 (de'āgâ – apreensão, cautela, medo [ansiedade/ARA]). Basta apenas conferir em uma boa concordância hebraica para encontrar outros sentidos. Um termo grego usado em Mateus 6.25, merimnaō, traduzido por "cuidadoso" (ARC) e "ansioso" (ARA), significa "estar indevidamente preocupado", "ter ansiedade", ou "estar em ansiedade desnecessária". Nos versículos 25-27, Jesus apresenta a inutilidade desta emoção, mas em 28-33 ensina a confiar na graça diária de Deus para a provisão das necessidades e cura da inútil ansiedade.

Nas ciências que estudam a psique humana é comum atribuir uma relação de afinidade e relação de causa e efeito entre a alma e o corpo, orgânico e psíquico, chamado de psicossomático (psychē [mente, alma], sōma [corpo; físico]). Esta relação já demonstrou-se incontestável. Todavia, teologicamente, a Bíblia reconhece, mas não se limita à relação entre o orgânico e o psíquico, entre a psychē e a sōma, pelo contrário, avança. No episódio de 1 Samuel 16.14-23, naturalmente, a psicologia moderna apontaria Saul como um maníaco-depressivo-criminógeno, e na verdade o era. Contudo, as causas de sua doença não são resultados apenas dos aspectos orgânicos e psíquicos, mas espirituais.

Teologicamente considerada, a doença de Saul era de origem espiritual; para usar um neologismo, não era apenas psicossomática, mas pneumatosomapsicológica (pneuma/espírito; sōma/corpo; psychē/alma). Os problemas orgânicos e psíquicos eram procedentes de "espíritos" que o atormentavam, refletindo sobre todo o ser do rei Saul. A experiência cristã tem confirmado sobejamente esta constatação.

Ansiedade: uma meditação

O melhor e mais eficaz antídoto contra a ansiedade é a confiança inabalável nas palavras de nosso Senhor Jesus. Ele ordenou: "Não vos inquieteis". A gélida lágrima e o frio soturno da desesperança se dissiparam ante o sussurro da fé de Ana (1 Sm 1.10,13,15). Enquanto orava, o Espírito a confortava: "Não vos inquieteis" (Rm 8.26). A latente dor de Ana era manifestada apenas no altar da oração, refúgio dos oprimidos e ansiosos (Ap 8.3,4). Ela perseverava diante de Deus, mesmo quando as lágrimas e os verbos lhe faltaram (Cl 4.2). O cicio melancólico foi rompido e vencido pela convicção interna de que Deus a ouvira (1 Sm 1.18,19). "Não vos inquieteis"! O mesmo Deus que socorreu e confortou a Ana é o mesmo que o toma pela mão direita e diz: "Não vos inquieteis"! (Sl 73.23).

sábado, 5 de novembro de 2011

´´ HAVERÁ SALVAÇÃO DURANTE A GRANDE TRIBULAÇÃO? ´´

Haverá Salvação durante a Grande Tribulação?
Saiba a respeito da salvação na Grande Tribulação

Haverá salvação na Grande Tribulação? Se houver, será por meio do sangue do mártir ou do sangue de Cristo? Será por iniciativa pessoal ou por agência do Espírito Santo? O que a Bíblia diz a respeito do temário?

Essas perguntas são frequentes e comuns entre os crentes interessados pela Escatologia Cristã. Neste breve artigo, explicamos de modo objetivo e prático essas importantes indagações a respeito da soteriologia escatológica.

A Salvação será pela graça mediante a fé
Haverá salvação durante a Grande Tribulação segundo Apocalipse 7; 12.11 e 14.4. As descrições nestes textos confirmam que a salvação será mediante o sangue de Cristo.

O conceito popular entre os cristãos de que a salvação durante este período se dará mediante o sangue ou morte do próprio indivíduo necessita de alguns esclarecimentos. Inicialmente, nenhum daqueles que mantiverem a sua crença em Cristo neste período será salvo por ter sido morto pela figura enigmática do Anticristo. A salvação não é por qualquer ato de justiça que possamos efetuar. O único meio através do qual o crédulo deste período será salvo é mediante a agência do sangue de Cristo: “E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram de grande tribulação, lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro. Por isso estão diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu templo; e aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a sua sombra” (Ap 7.14-15 – grifo nosso).

O princípio da salvação pela graça mediante a fé ainda continua válido para esses dias de grandes agruras, o princípio do versículo 6 [Hb 1.11-40], sem fé é impossível agradar a Deus, não se limita à presente era, mas vale para todas as épocas . É assim que se entende o texto de Apocalipse 12.11: “Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida”. (grifo nosso)

No primeiro agente, o sangue, encontramos a graça, pois se refere ao sacrifício voluntário e gratuito de Cristo a favor da humanidade e, somente depois, a segunda agência, a fé, mediante a qual a pessoa confessa sua incapacidade de se salvar e aceita os postulados do Calvário: “ e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida”. (grifo nosso)

Mesmo a salvação sendo operada através do sangue de Cristo, torna-se-á necessário a manifestação da fé do mártir na obra efetuada por Cristo. Isto o indivíduo afirmará através de sua fé por meio de sua própria morte. Neste caso, o crédulo desse tempo não é salvo porque deu a sua vida, mas porque o seu sangue derramado na morte testifica e confirma a sua fé no sacrifício vicário de Cristo.

A salvação será através da ação do Espírito Santo
Alguém pode perguntar: “Como alguém poderá crer no sangue de Cristo durante a Grande Tribulação?”. A resposta a esta pergunta está clara através de todo o Novo Testamento: através da agência do Espírito Santo. A respeito da ação salvífica do Paracleto, Jesus afirmou: Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. O mesmo princípio é ratificado em João 3.5,6. A diferença entre a atuação do Espírito no tempo da Graça para os dias da Grande Tribulação é, que, na Graça, o Espírito habita no crente, enquanto na Grande Tribulação, assim como no Antigo Testamento, o Espírito não habitará no crédulo. Assim, distinguimos entre a regeneração efetuada pelo Espírito e a habitação do Espírito no crente. Mesmo que o Espírito não habite no crente no tempo da Grande Tribulação isto não O impedirá de efetuar a regeneração nessa pessoa.

Os Resultados da Salvação
Os textos que tratam da salvação neste período tribulacional indicam vários resultados da salvação:

a) Haverá purificação pessoal: Passagens como Apocalipse 7.9,14 e 14.4 mostram claramente que o indivíduo salvo é aceito por Deus. Em nenhuma outra base o indivíduo poderia estar “diante do trono de Deus”.

b) Haverá salvação nacional: A preparação de tal nação (veja Ez 20.37,38; Zc 13.1,8,9) resultará na salvação da nação no segundo advento, como prometido em Romanos 11.27. As promessas nacionais podem ser cumpridas porque Deus, pelo Espírito Santo, redimiu um remanescente em Israel ao qual e por meio do qual as alianças podem ser cumpridas.

c) Haverá bênçãos milenares: Apocalipse 7.15-17 e 20.1-6 deixam claro que a salvação oferecida durante esse período encontrará seu cumprimento na terra milenar. Todas as bênçãos e privilégios de serviço, posição e acesso a Deus são vistos no âmbito milenar. É assim que as promessas nacionais serão realizadas mediante a salvação individual durante a tribulação e serão desfrutadas na terra durante o milênio.

Cada cristão deve entender que a Igreja aguarda pacientemente o Arrebatamento da Igreja. Nossa salvação já está garantida e segura em Cristo.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

´´VINGREN: O HOMEM,A LENDA´´



Vingren, vida dedicada ao Senhor

“Gunnar Vingren era um homem consagrado a Deus cuja vida foi uma vez para sempre colocada sobre o altar e ele jamais retirou dali essa sua oferta. Um santo fogo estava aceso em sua alma e ardeu durante toda a sua vida, até que ele foi “consumido” por esse mesmo fogo”.


GUNNAR VINGREN (1879-1933), nasceu em Ostra Husby, Ostergotland, na região agrícola do sudeste da Suécia, a 8 de agosto de 1879. Seu pai era batista e exercia a função de jardineiro. Diz o próprio Vingren que pelo fato de seus pais serem crentes, procuraram desde tenra idade a ensinar-lhe os preceitos do Senhor . Os ensinos domésticos que o pequeno Gunnar recebia de seus genitores era reforçado pelas aulas que recebia na Escola Dominical na qual seu pai era um dirigente incansável.

Segundo o próprio Vingren, aos 9 anos ele foi chamado por Deus . Após essa chamada, sentiu o desejo de buscar a Deus e o fazia constantemente atraído de uma forma especial pela presença do Santo Espírito. Aos 11 anos reunia-se com outras crianças para buscar a Deus em oração. Vingren terminou o curso primário com 11 anos, a partir dessa idade trabalhou como jardineiro com o seu pai, ofício este que se ocupou até o ano de 1903, quando seguiu o rumo de parentes para os Estados Unidos .

O adolescente Gunnar não resistiu aos apelos do mundo, desviando-se dos preceitos do Senhor com a idade de 12 anos. Ficou cerca de 5 anos vivendo como um filho pródigo, trazendo descontentamento aos seus pais. Em 1896, com a idade de 17 anos, Vingren foi a um culto de vigília de ano novo com o seu pai. Foi nessa reunião que retornou ao lar paternal. Em seu diário, o já idoso missionário, relembra com gozo indizível a sua conversão ao Evangelho .

Em 1897, aos 18 anos, foi batizado nas águas na igreja Batista em Wraka, Smaland, Suécia. Nessa época, assumiu a direção da Escola Dominical de sua igreja, substituindo seu pai. Em 14 de julho daquele ano, um artigo de uma revista que falava sobre os sofrimentos de tribos nativas no exterior o levou às lagrimas e a uma decisão que mudaria o rumo de sua vida: “Subi para o meu quarto e ali prometi a Deus pertencer-lhe e pôr-me à sua disposição, para honra e glória de seu nome. Orei também insistentemente para que Ele me ajudasse a cumprir esta promessa” , afirma Vingren.

No mês de outubro de 1898, Vingren deixou a direção da Escola Dominical para participar de uma escola bíblica em Götabro, Nãrke. Essa escola bíblica era uma Federação Evangélica com o intuito de ganhar almas para Cristo. Cerca de cinquenta e cinco crentes, entre homens e mulheres, participaram dessa Escola que durou cerca de trinta dias. Ao final do curso, cerca de quinze participantes foram enviados como evangelistas, que saíram dois a dois apenas com o dinheiro da passagem para o local pretendido. O próprio Vingren fala da impressão que essa escola bíblica lhe causou:


“Nunca mais na minha vida recebi uma instrução bíblica tão profunda como aquela. Pastor Kihlstedt nos quebrantava completamente com a Palavra de Deus. Ele nos tirava tudo, tudo, até que ficássemos inteiramente aniquilados como pó diante dos pés do Senhor. Depois vinha o irmão Emílio Gustavsson com o óleo de Gileade, e sarava as feridas da alma, alimentando nossos corações famintos com o melhor trigo dos celeiros de Deus. Oh! Que tempo aquele! Fez-me bem pelo resto de toda a minha vida”.


Vingren foi enviado como evangelista à província de Skane, que foi a sua primeira missão como missionário. Em seguida, evangelizou nas províncias de Vãstergõtland, realizando vários cultos na região. Mas, quando chegou a Tidaholm, ficou doente de papeira. Muito enfermo, sonhou que tinha dormido no Senhor e que seus pais participaram do cortejo fúnebre. Entretanto, no sábado à noite, alguns irmãos foram visitar o evangelista enfermo. Oraram fervorosamente e, na segunda-feira, estava totalmente curado para continuar sua viagem missionária . Depois disto, evangelizou em Rönneholm, Svedala e retornou a Skane. Na cidade de Rönneholm, um irmão chamou à sua atenção pelos atos humanitários e pelo amor cristão que dispensava ao viandante cristão. Realizou alguns cultos em algumas aldeias de pescadores. Vingren lembra em seu Diário do Pioneiro, que o céu se abriu sobre todos que estavam juntos cantando o hino: “Jesus, faz-me sereno e satisfeito”.

De retorno ao lar paterno, continuou a trabalhar como jardineiro. Desta feita encontrou trabalho como jardineiro no palácio real de Drottningholm. O coração do missionário ardia com o desejo entusiástico de repetir a experiência de propagar as boas novas. Foi quando no dia primeiro de outubro, após ser convidado anteriormente por um evangelista da qual Vingren não conhecia pessoalmente, partiu para ser obreiro em cultos próximo à sua casa. No inverno foi à província de Ostergötland, e muitas almas renderam-se, como diz o próprio Vingren, “ao pé da Cruz. Glória a Deus” . Entretanto, no mês de fevereiro, Gunnar foi convocado a cumprir o serviço militar interrompendo sua missão. Apresentou-se em Soderkoping e serviu em Malmslatt durante sessenta e oito dias. Parecia que o antigo desejo de ser militar iria ressuscitar e a falta de segurança cristã o atormentaria. Mas nem um e nem o outro foram fortes suficientes para amedrontar esse intrépido evangelista. Havia amadurecido não apenas como cristão, mas também como obreiro, tendo sido experimentado em todas as coisas e sido aprovado por Deus. Dentre os mil e seiscentos homens alistados apenas vinte eram cristãos. Lembra o jovem evangelista, que Deus o auxiliou dando a ele oportunidade de pregar aos seus companheiros pessoalmente, e noutra ocasião numa capela cheia de soldados.

Ao retornar do serviço militar, voltou para a casa de seus pais e, retomou o trabalho de jardineiro próximo a Estocolmo. Vingren se esforçava para ser útil tanto à sociedade quanto ao Reino de Deus. De dia trabalhava como jardineiro e a noite tomava parte nos cultos testificando em diversos lugares.

Em 30 de junho de 1903, Vingren afirma que foi “atingido pela “febre dos Estados Unidos” . Após dezenove dias de viagem, chegou a Kansas City em dezenove de novembro de 1903. Embora tivesse muita dificuldade em encontrar o endereço , Vingren foi em direção a casa de seu tio Carl Vingren que morava em Kansas City a vários anos. Vingren, após uma semana, começou a trabalhar como foguista na cidade de Greenhouse, depois como porteiro em uma grande casa comercial e, no inverno, como jardineiro. No final do mês de fevereiro de1904, partiu para St. Louis para trabalhar no Jardim Botânico local, ao mesmo tempo em que participava, aos domingos, dos cultos da igreja sueca em St. Louis.

No final de setembro de 1904, Gunnar viajou para Chicago para começar um curso de quatro anos no seminário sueco dos batistas. Os ministros da Igreja batista sueca percebendo o zelo e esmero de Vingren o recomendaram que entrasse para a universidade batista. Nos quatros anos que passou na universidade, o seminarista Gunnar sentia a presença de Deus em todo o tempo. Durante os estudos, Vingren pregava em diversas igrejas locais distintas. No seu primeiro estágio, de junho a dezembro, pregou na Primeira Igreja Batista em Chicago, Michigan. No segundo, foi a Sycamore, Illinois, no estágio do Natal, pregou em Blue Island, também em Illinois. No terceiro estágio ajudou em Sycamore, Illinois, e nos últimos estágios, foi pastor em Mountain, Michigam.

Em setembro de 1904 iniciou um curso de quatro anos no Seminário Teológico Batista Sueco, em Chicago. Durante o tempo em que morou em Kansas, pertenceu à igreja batista sueca, onde foi exortado a voltar a estudar. Durante o curso, foi convidado a pregar em várias igrejas. Pelo seminário, estagiou sete meses na Primeira Igreja Batista em Chicago, Michigan. Depois, nas igrejas batistas em Sycamore, Illinois; Blue lsland, também em Illinois; e, por fim, em Mountain, Michigan .

No mês de maio de 1909, Vingren concluiu seus estudos e foi diplomado no mesmo mês e ano.Embora houvesse feito um pedido para ser enviado como missionário, após os estudos acadêmicos, foi servir à Primeira Igreja Batista em Menominee, Michigan, como pastor em junho de 1909. Permaneceu nessa igreja até fevereiro de 1910 . A Convenção Batista do Norte o sustentaria. No início, Vingren convenceu-se de que esta era a vontade de Deus, mas, durante a convenção, Deus mostrou-lhe o contrário. Voltando à sua igreja, enfrentou uma grande luta por causa de sua decisão. Finalmente, resolveu não aceitar a designação e comunicou sua decisão à convenção por escrito. Por esse motivo, a moça por quem se enamorara rompeu o noivado. Ao receber a carta da pretendida, respondeu: “Seja feita a vontade do Senhor!”.

Até a decisão final em não ir para a Índia como missionário, Vingren travou uma árdua batalha espiritual, agravada com uma severa dúvida em saber se esta era a decisão correta. Conta Vingren, que, enquanto estava em dúvida não sentiu o poder de Deus sobre a sua vida durante toda aquela semana, vindo a sentir o poder e a paz de Deus somente depois que decidiu em não ir como missionário .

Nessa época os Estados Unidos estava sendo visitado de modo especial pelo Espírito Santo . No verão de 1909, Deus encheu o coração de Vingren com o desejo de receber o batismo no Espírito Santo. Em novembro daquele ano, ele pediu permissão à sua igreja para visitar a Primeira Igreja Batista Sueca, em Chicago, onde se realizava uma série de conferências: O seu objetivo era buscar o batismo no Espírito Santo. Foi durante essa milagrosa experiência que Vingren conheceu Daniel Berg. Após cinco dias de busca incessante, foi revestido de poder, falando em outras línguas, como os discípulos no Dia de Pentecostes. Sobre o assunto afirma Vingren:

“Quando recebi o Espírito Santo, falei línguas, justamente como está escrito que aconteceu com os discípulos no dia de Pentecostes: At 2. É impossível descrever a alegria que encheu meu coração. Eternamente o louvarei, pois me batizou com o seu Espírito Santo e com fogo” .

A alma de Vingren estava transbordando de alegria celeste. Após aquela experiência pentecostal, Vingren nunca mais foi o mesmo pastor. Ao voltar à sua igreja em Menominee, começou a pregar a verdade pentecostal de que “Jesus batiza no Espírito Santo e com fogo” . Alguns irmãos estranharam o teor da mensagem, enquanto outros ficaram impressionados com o fervor da boa nova. A partir dos ensinos e experiência dos cristãos primitivos no livro dos Atos dos Apóstolos, Vingren ensinava a verdade pentecostal . No entanto, a tradição daquela igreja que tanto amava o seu pastor, não estava disposta a admitir aquela estranha doutrina. Por muito tempo os irmãos daquela comunidade haviam aprendido que os nove dons do Espírito e a experiência do pentecoste haviam cessado após a era apostólica. Outros irmãos, porém, ávidos por uma comunhão mais profunda com o Espírito Santo, creram na doutrina pentecostal. Em fevereiro de 1910, os crentes que não creram na mensagem pentecostal intimaram o pastor Vingren a deixar o pastorado da igreja .

A Igreja Batista em South Bend, Indiana, ao ouvir os comentários de que um dos pastores da denominação havia experimentado uma ação sobrenatural do Espírito sobre si, convidaram "o batista pentecostalizado" para expor sua experiência. Todos os irmãos ao ouvir a mensagem creram em cada exposição bíblica e em cada um dos atos experiênciais do próprio Vingren. Nos primeiros sete dias, Deus batizou dez crentes com a evidência inicial de falar noutras línguas.

A perspectiva de Vingren era que Deus transformasse as igrejas batistas suecas através do batismo pentecostal. Inicialmente não pretendia deixar de ser um ministro da igreja batista, apenas compartilhar sua nova experiência. A nova consciência do ex-pastor batista era a de que a igreja só seria capaz de cumprir a sua missão se aceitasse a plenitude do batismo no Espírito Santo. Por isso, se pôs como profeta e missionário incumbido de propagar a mensagem quadrangular do Evangelho: Cristo Salva, Batiza com o Espírito Santo, Cura e Vem em breve. Vingren não deixou de ser um pastor batista até o momento que foi expulso da igreja batista em Belém – Pará. Não pretendia criar uma outra denominação, isto ocorreu porque as circunstâncias o levaram, apenas ser participante de uma reforma dentro das igrejas reformadas. Sobre a transformação da igreja batista em South Bend, Indiana afirma Vingren:

“No total foram quase vinte pessoas, que naquele verão foram batizadas com o Espírito Santo. Glória a Jesus! Assim Deus transformou a igreja batista em South Bend, Indiana, em uma igreja pentecostal” .

Vingren pastoreou-a até 12 de outubro de 1 91 0 , quando começou a preparar-se para a viagem ao Brasil.

No verão daquele mesmo ano, Deus pôs no coração de Vingren o desejo de reunir a igreja em oração num sábado à noite. Berg, seu futuro companheiro na seara do Mestre, estava presente nessas reuniões em South Bend . A primeira foi realizada na casa de um dos irmãos que haviam recebido o batismo no Espírito Santo. Naquela ocasião, o Espírito desceu de modo sobrenatural alegrando a alma dos crentes. Essa experiência foi repetida por diversas vezes. Reuniam-se aos sábados para orar, e cada vez que isto ocorria o Espírito do Senhor descia sobre os seus servos poderosamente. Paulatinamente os irmãos estavam sendo imersos no poder e na autoridade do Espírito para levar a mensagem pentecostal para outros lugares. Vingren afirma que durante essas semanas de oração, sentia o poder de Deus sobre ele como uma pressão, ou um forte peso, de tal maneira que muitas vezes nem podia estar assentado à mesa para comer, mas tinha de cair ao chão, dobrar os joelhos e, com alta voz, prorromper em altos louvores diante da Majestade Santa.

Durante uma dessas reuniões percebeu que um irmão estava arrebatado em espírito de modo especial, como um arrebatamento profético. Um outro irmão, Adolfo Ulldim, foi o instrumento profético que Deus usou para dizer a Vingren e ao seu companheiro Berg que eles deveriam ir a uma cidade conhecida pelo nome "Pará", cujo povo e seus hábitos eram de uma vasta simplicidade, mas Deus supriria todas as necessidades. Naquela ocasião um fato espiritual inusitado cortou a expectativa e apreensão dos missionários, um dos irmãos foi tomado em glossolalia, só que era o idioma que os missionários teriam que futuramente aprender, o português. Na mesma ocasião, o Espírito falou a Vingren para que ele não se preocupasse com a sua vida sentimental. Deus estaria cuidando de cada aspecto de sua vida, ainda que seja de questão mais ínfima. Como prova, Deus disse-lhe o nome de sua futura esposa: Strandberg . Embora Vingren não a conhecesse guardou em seu coração essa profecia. Mais tarde, sete anos depois, em 4 de março de 1917, Vingren conheceu a enfermeira, senhorita Frida Strandberg, amiga de Lewi Pethrus e que possuía uma chamada missionária para o Brasil. O casamento só ocorreu em 16 de outubro de 1917.

Imediatamente, Vingren e Berg foram até a bliblioteca pública da cidade localizar em algum atlas algum lugar com esse nome. Desfolhando os manuais descobriu tratar-se de um lugar ao Norte do Brasil. Embora o pastor Vingren sempre tivesse plena consciência de seu chamado missionário, sabia exatamente agora o lugar que Deus o queria – Pará , Norte do Brasil. Embora soubesse, ficou claro que Deus o havia guiado adequadamente ao rejeitar ser enviado como missionário para Índia, ou quando arrefeceu o seu desejo de ser missionário na China, motivado por um tio que havia sido missionário nessa região de matizes culturais intransponíveis. Deus o queria no Brasil para implantar um dos maiores movimentos pentecostal na América do Sul! Vingren e Berg agora estavam unidos pelo Senhor no mesmo propósito.

Como não deveria deixar de ser, os dois se prontificaram a buscar ao Senhor para saber qual era o tempo ideal para ir ao Brasil. Poucos meses depois compreenderam que deveriam partir de Nova Iorque até o Pará e que seria no dia 5 de novembro de 1910 . Sem recurso para comprar as passagens e para as despesas de viagem, confiaram em Deus para toda provisão necessária . Vingren e Berg não possuíam quaisquer recursos; não estavam ligados a qualquer denominação, se recusavam a pedir qualquer ajuda que não fosse a Deus. Foi então, quando os dois missionários se intrigavam com essa questão, que Deus disse a Vingren: “Se fores, nada te faltará!”. Deus proveu milagrosamente a quantia certa para a viagem. Um irmão chamado B.M. Johnson, pastor de uma das igrejas batistas de Chicago, pediu para que os dois missionários passassem em sua igreja para se despedir. No culto, tiraram uma oferta para os missionários, cujo valor excedeu ao necessário .

No dia aprazado, 5 de novembro de 1910, os dois missionários embarcaram no navio “Clement”. Pensando em chegar ao Brasil com alguma reserva monetária, embarcaram com passagens de terceira classe. Durante os catorze dias de viagem, os missionários tiveram que suportar a precária acomodação e a péssima alimentação . Tudo o faziam com alegria e contentamento. Numa dessas ocasiões, Deus entregou uma mensagem profética a Daniel Berg, dizendo que estava com eles. Durante esse tempo oraram por um companheiro de viagem e ganharam um passageiro para Cristo. Em um dos pontos de embarque e desembarque alguns brasileiros subiram no “Clement”. Vingren afirma que “pela primeira vez” ouviram o idioma português e, sentiram certo temor em seus corações, pois não compreendiam nada. Mas esse sentimento desapareceu bem depressa, pois estavam convictos da vontade do Senhor.

Chegaram ao destino, Pará, no dia 19 de novembro de 1910.

Ao desembarcarem não havia ninguém para receber os dois missionário suecos. Sem destino certo, acompanharam a multidão ao centro da cidade. Os dois missionários viam desfilar pelas ruas “pessoas mal vestidas, os leprosos a desfilar seus corpos mutilados, apresentando pungente espetáculo pelas ruas” . No período da chegada dos missionários e da inauguração da AD no Brasil o país vivia um momento político conturbado. A AD foi fundada no período do Marechal, apoiado pelos fazendeiros de café, Presidente Hermes da Fonseca (15/11/1910 – 15/11/1914), tendo a igreja que conviver com a “república dos coronéis” – latifundiários que formavam as oligarquias estaduais e regionais; fraudavam as eleições, punham o Exército e a polícia contra a população que se revoltava – mandavam em tudo e em todos (...). Nesse período apenas 3% dos brasileiros podiam votar, o que equivalia a três em cada cem brasileiro, e a grande maioria era analfabeta. Os 3% que votavam era os maiores de 18 anos alfabetizados. As eleições eram fraudadas, falsificadas. Quem mandava em tudo e em todos eram os coronéis: no advogado, no pastor, no padre, no professor, nas pessoas que trabalhavam em suas fazendas. Se houvesse mais de um coronel no município afirma PILETTI & PILETTI, mandava aquele que tinha mais jagunços, mais armas e mais vontade de lutar. O crescimento da AD, foi em grande parte, entre as pessoas econômica e socialmente dependentes, sofridas, acostumadas a obedecer sem questionar sempre que se destacava uma autoridade na região. A população deste período seria muito distinta daquela que participaria da revolução de 30, do Estado Novo, da ditadura militar e dos “caras pintadas” da década de 90” (...) No ano de 1913, uma grande seca atingiu o Estado do Ceará, obrigando o governo a dar passagens grátis para quem quisesse sair de lá. Muitas dessas pessoas foram viver às margens da estrada de ferro Belém-Bragança, aumentando a população do Estado do Pará. Foi nesse período que a igreja experimentou um grande crescimento. Daniel Berg, visitou todos os lugares onde estavam essas pobres pessoas, acrescendo cada vez mais o números dos crentes pentecostais. .

No mesmo dia em que chegaram, hospedaram-se num modesto hotel onde consumiram os seus 16 mil réis que ainda possuíam . Não tendo mais como pagar, não restou nenhuma outra alternativa a não ser deixar o apartamento. Foram, de bonde, em direção à casa do pastor metodista Justo Nelson, que os indicou ao pastor Erik Nilson, pastor da Igreja Batista de Belém. Os dois missionários foram convidados a morarem no porão da Igreja Batista, localizada na Rua Balby n. 406. Depois, em Boca do Ipixuna, às margens do Rio Tajapuru, hospedaram-se durante alguns meses na casa do presbiteriano Adriano Nobre. Dormiram no mesmo quarto onde morava o irmão Adriano Nobre, primo de Adriano, o pri¬eiro professor deles de língua portuguesa.

Os missionários precisavam de sustento, por isso, Daniel Berg, forte e robusto, arranjou emprego de fundidor no antigo Port Of Parh (hoje dividida em Cia. Docas do Pará e ENASA), e Gunnar Vingren dedicava-se ao estudo do idioma. A noite transmitia a Daniel o que havia aprendido.

As irmãs Celina Albuquerque e Maria de Nazaré creram na mensagem pentecostal e receberem o batismo no Espírito Santo. Criou-se, então, uma discussão na igreja, que culminou na expulsão de 21 membros, Vingren e Berg eram dois dessa estatística pentecostal.

Em 18 de junho de 1911, nascia a Missão de Fé Apostólica, que em 11 de janeiro de 1918 mudou de nome, sendo registrada oficialmente como Assembleia de Deus. Era uma igreja sem vínculos estrangeiros, genuinamente autóctone .

Durante a época em que pastoreou a igreja em Belém, no Pará, Vingren visitou por duas vezes a Suécia, passando pelos Estados Unidos. Em 1 de agosto de 1917, na sua primeira viagem, conheceu a enfermeira Frida Strandberg, que contou-lhe ter também uma chamada para o Brasil. Em 16 de outubro de 1917, em cerimônia presenciada por Samuel Nystrõm e esposa, Gunnar e Frida casaram.

O pastor Vingren, cônscio de que era não apenas necessário registrar os principais eventos pentecostais, mas como também plausível que as Assembleias de Deus tivessem o seu próprio periódico, em 1918, em Belém do Pará, fundou o a revista (jornal) Boa Semente, durante o ano de 1930, no Rio de Janeiro, o jornal Som Alegre, e somente em 1930, por resolução da Convenção em Natal, Vingren une os dois jornais criando o órgão oficial da Assembleia de Deus no país, o jornal Mensageiro da Paz, o primeiro número foi editado em 1 de dezembro de 1930, no Rio de Janeiro .

Apesar das inúmeras e agravantes crises de enfermidade que sofreu, Vingren, durante o período em que esteve no Brasil, esmerou-se arduamente no trabalho do Senhor, antes de sua partida definitiva para a Suécia. Após uma viagem cansativa, escreveu:

“Depois desta viagem cansativa, cheguei aqui bastante abatido. Sinto-me totalmente acabado. Tenho vontade de trabalhar para Jesus, mas faltam-me as forças. Quando estive em Santa Catarina, fiquei muito enfermo do estômago, pois a comida ali me fez mal. Fiquei também muito gripado e doente no peito, pois tive de voltar de um batismo com a roupa toda molhada e havia um vento muito frio. Mas o Senhor me ajudou. Porém, entendo que, se eu continuar assim, vou em breve terminar a carreira” .

No dia 15 de agosto de 1932, Vingren retornou à Suécia. No Rio de Janeiro, deixou a igreja sob a responsabilidade do pastor Samuel Nyström. Durante os nove anos que pastoreou a igreja no Rio, esta cresceu muito mais do que qualquer outra no Brasil durante aqueles anos.

Na Suécia, enquanto não partia para o Céu, participava dos cultos da igreja de Estocolmo, onde celebrou sua última vigília de ano-novo. Em junho de 1933, foi com a família para uma colônia de descanso em Tallang, onde terminou seus dias. Gunnar Vingren faleceu às 14:45 hs, do dia 29 de junho de 1933.

Sua esposa, Frida Vingren, testemunhou seu falecimento:

“No dia 27, entre cinco e seis da manhã, ele recebeu a chamada para o Céu. Então, com os braços levantados, exclamou: ‘Jesus, como tu és maravilhoso. Aleluia! Aleluia!’ Enquanto estava sob esse poder, leu os quatro primeiros versículos do Salmo 84: “Quão amáveis são os teus tabernáculos, Senhor dos Exércitos!”. A minha alma está anelante, e desfalece pelos átrios do Senhor; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo. Até o pardal encontrou casa e a andorinha ninho para si e para a sua prole, junto dos teus altares, Senhor dos Exércitos, Rei meu e Deus meu. Bem-aventurados os que habitam em tua casa: louvar-te-ão continuamente!’ Depois dessa experiência, viveu ainda por dois dias, quando várias vezes disse que tinha saudade de ouvir o cântico dos anjos. Uma vez sentou-se na cama, levantou os braços e louvou a Deus, pois sentiu-se maravilhosamente livre” .

Antes de Vingren morrer, deixou a seguinte mensagem aos irmãos brasileiros:

“Diga-lhes que eu vou feliz com Jesus. E, como um pai em Cristo, exorto a todos a receber a graça de Deus, que quer operar mais santidade e humildade, para que possam receber os dons do Espírito Santo. Somente desta maneira a Igreja de Deus poderá estar preparada para a vinda de Jesus!” .

A elegia fúnebre se fez na igreja Filadélfia, em Estocolmo, Suécia. Cerca de mil e trezentas pessoas participaram da cerimônia. Diversos irmãos deram testemunhos da vida e obra desse intrépido homem de Deus.

“Gunnar Vingren era um homem consagrado a Deus cuja vida foi uma vez para sempre colocada sobre o altar e ele jamais retirou dali essa sua oferta. Um santo fogo estava aceso em sua alma e ardeu durante toda a sua vida, até que ele foi “consumido” por esse mesmo fogo”.

NOTICIAS DO MUNDO QUE A TV NÃO MOSTRA

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

´´ LEMBRE-SE QUE ,NO FINAL SEMPRE SERÁ ENTRE VOCE E DEUS !!!

LEMBRE-SE Q, NO FINAL, SEMPRE SERÁ ENTRE VC E DEUS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Um
profissional ambicioso queria crescer na empresa para a qual
trabalhava, mas, para tal, haveria de enfrentar um grande problema.
Havia um colega de trabalho que era muito talentoso, realmente bom no
que fazia. Com ele no caminho, não daria para crescer. E as tentativas
de agradar o chefe simplesmente não davam certo.
Quase de forma
inconsciente, o profissional começou a aproveitar as raras oportunidades
que tinha para criticar o colega talentoso. Apesar de este não vacilar
com frequência e executar um bom trabalho, o ambicioso sempre encontrava
algum motivo para falar pelas costas. Até que um dia conseguiu o que
queria e o colega foi demitido.
Meses depois, porém, a empresa passou
por problemas financeiros, foi vendida e o ambicioso acabou sem
emprego. Rapidamente, começou a mandar currículos. Porém, nenhuma
empresa dava retorno.
Decidiu então recorrer às pessoas que conhecia,
mas estas não o ajudaram, porque sabiam de sua falta de ética. Um dia,
uma empresa ligou e o chamou para uma entrevista. Ele foi. Ao chegar no local indicado, ficou surpreso: o entrevistador era o antigo colega que havia prejudicado no passado. Na mesma hora, soube que suas chances de conseguir o emprego eram pequenas.

SERÁ Q VALE A PENA ALCANÇAR NOSSOS OBJETIVOS A QQUER CUSTO????

“Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas. Perdoe-as assim mesmo.
Se você é gentil, as pessoas podem acusá-la de egoísta, interesseira. Seja gentil assim mesmo.
Se você é uma vencedora, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros. Vença assim mesmo.
Se você é honesta e franca, as pessoas podem enganá-la. Seja honesta e franca assim mesmo.
O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para outra. Construa assim mesmo.
Se você tem paz e é feliz, as pessoas podem sentir inveja. Seja feliz assim mesmo.
O bem que você faz hoje, pode ser esquecido amanhã. Faça o bem assim mesmo.
Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante. Dê o melhor de você assim mesmo.
Veja você que, no final das contas, é entre você e Deus.
Nunca foi entre você e as outras pessoas.”

O Dia do Halloween, comemorado no dia 31 de outubro, é um ritual satânico. Considerada a noite mais longa do ano, celebrado na Inglaterra, na entrada das estações frias. Esta data para os Druidas e Celtas, era o início da Estação das Trevas, e era o último dia permitido para se fazer qualquer colheita, porque esta noite era a separação entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos.

Muitos rituais eram feitos para expulsar os espíritos maus das lavouras, para que a terra não fosse amaldiçoada e pudesse produzir no ano seguinte. Nesses rituais, demônios eram invocados, para que “abençoassem" as casas, lavouras e animais.

Na noite de Halloween as crianças se fantasiam com vestes de bruxas, diabos, duendes, caveiras etc, e saem às ruas brincando de “doces ou travessuras”. Essa prática diabólica faz nossas crianças assumirem o papel de demônios que se não receberem as ofertas (doces e dinheiro), destruirão as casas ou farão mal às pessoas.

SÍMBOLOS DO HALLOWEEN:

ABÓBORA COM ROSTO - Há uma lenda que um homem chamado Jack, morreu e foi-lhe negado a entrada tanto no céu como no inferno. Condenado a viver perambulando pela terra como uma alma penada, ele colocou uma brasa brilhante num grande nabo oco, para iluminar o seu caminho à noite. Daí os nabos foram trocados por abóboras, que simboliza o esírito de Jack.

VELAS - Interessante que neste dia é usada muitas velas marrons e alaranjadas e você pode imaginar que isto não tem nada a ver com nada. Em um dos rituais feitos pelas bruxas neste dia, as cores de velas usadas são MARRONS e LARANJAS. Coincidência?

USO DO PENTAGRAMA - O pentagrama é o símbolo principal do satanismo. Todo trabalho de encantamento e magia é feito dentro dele, ou colocado sobre ele ou na frente do altar.

PESCAR MAÇÃS EM UM TONEL - Esta antiga prática veio de adivinhar o futuro. Quem conseguisse pegar a maçã com a boca, num tonel de água, teria a ajuda dos espíritos para conseguir a pessoa amada.

PEDIR DOCES - Esse costume veio da tradição Irlandesa, quando um homem conduzia uma procissão para pedir oferta aos agricultores, para que suas colheitas não fossem amaldiçoadas por demônios. Hoje, as crianças que saem pedindo doces e dizendo "Doces ou travessuras?", representam os demônios.

GATO PRETO - Os gatos eram objeto de adoração e estavam presentes nessa festividade. Acreditavam-se que após um período de silêncio com a busca da meditação, o próprio diabo aparecia na forma de um gato preto.

A mídia tem promovido uma onda de bruxos bonzinhos, lindos e românticos. Pessoas aparentemente normais, sem nariz com verrugas. Como no caso do famoso Harry Potter. Mas aBíblia Sagrada condena a prática da feitiçaria, bruxaria, adivinhações. Quem pratica tais coisas é abominável aos olhos do Senhor.

Pelo que sabemos, nessa data, muitas crianças desaparecem para serem sacrificadas em rituais satânicos. Não podemos deixar que nossas vidas, e as vidas de nossos filhos sejam destruídas por nossa ignorância espiritual. Diga não ao Halloween!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

´´ ATÉ QUANDO? ´´

Até quando?
Diz Davi: “A minha alma está perturbada; mas tu, Senhor, até quando?”, Sl 6.3. Todo o Salmo 6 retrata uma angustiante oração do rei Davi, quando sentia em seu próprio corpo dores provocadas por um sufocante sentimento de caos. A interrogação do salmista “Até quando?” é típica e ressoa em todas as gerações na história da humanidade.

Vivemos tempos difíceis, de decepções e sofrimentos, de pecados e corrupções, e a perplexidade é evidente nas faces estupefatas pelas coisas que sucedem no mundo. “Até quando?” é uma interrogação constante, permanente e sem resposta aparente. A primeira vez que esta interrogação foi emitida aconteceu no Jardim do Éden e, de lá para cá, a preocupação quanto ao porquê de todos os problemas é uma realidade. O mal surge na vida do homem, não como um mero conceito moralista ou filosófico, ou mesmo religioso. O mal, ainda que impessoal, é o resultado da ação pessoal do maior inimigo de Deus e do homem: o Diabo.

Em cada esquina de rua, nos bares, nas casas de comércio, nos escritórios advocatícios, nas grandes empresas, na boca dos velhos, dos jovens e das crianças, encontra-se esta interrogação. Até quando continuarão os conflitos sociais e bélicos, e a matança indiscriminada de mulheres e crianças? Até quando a violência fará seu caminho de morte e destruição nas grandes cidades? Até quando inocentes pagarão pelos culpados? Até quando as diferenças ideológicas e políticas separarão as nações e os povos? Até quando os governantes da Terra estarão subestimando a vida humana?

O salmista Davi confessa: “Também a minha alma está perturbada, mas tu, Senhor, até quando?” A alma humana é aquele princípio inteligente e vivo que Deus criou, e é dotada não apenas de existência física, mas também de vida moral e espiritual. A alma humana difere da alma irracional, pois ela representa a vida pessoal do ser humano através da mente, da vontade e dos sentimentos. Porém, um dos atributos humanos é a livre vontade, conhecida como livre arbítrio, e por esse atributo o homem deixou-se corromper pelo pecado.

O pecado enfraqueceu e tornou limitada a alma humana, porque ficou marcada pela derrota e despida de sua glória original. As potencialidades pessoais do homem foram corrompidas e pervertidas. O resultado negativo produziu separação de Deus. A alma humana tornou-se escrava de um sistema espiritual antagônico a Deus sob o comando de Satanás. Todas as prerrogativas humanas foram controladas por esse inimigo. Sua liberdade foi perdida; seu poder de decisão foi sufocado e seu grito sufocado, mas a Bíblia revela que Deus resolveu restaurar o homem através de alguém que seria capaz de libertá-lo dos seus pecados. Esse alguém é o Senhor Jesus Cristo.

Jesus “tomou sobre si as nossas dores e enfermidades, e levou sobre si as nossas iniqüidades”. Isso significa que Ele tomou o peso da condenação que tínhamos sobre nós. Pela obra expiatória no Calvário, Ele faz calar o gemido daqueles que o aceitam como Salvador e Senhor. As angústias que roubam a paz das pessoas são aliviadas por Jesus, o único capaz de resolver esse problema.

´´ OUVINDO A VOZ DE DEUS NOS VALES ´´

Ouvindo a Voz de Deus nos Vales

Ezequiel,filho do sacerdote Buzi,da linhagem sacerdotal de Zadoque,viveu por volta de 597 a C.
Chamado por Deus para exercer o ministério de profeta em meio a um dos períodos mais críticos de Israel,o Cativeiro Babilônico. Podemos perceber que em Ez 3:22 algo de interessante acontece,Deus Fala com Ezequiel e lhe dá uma ordenança.
“ E a mão do Senhor estava sobre mim ali, e ele me disse: Levanta-te, e sai ao vale, e ali falarei contigo.”

Antes de prosseguirmos nos é interessante deixar compreensível a palavra “VALE”. Geograficamente o que é um vale? Vale é uma depressão alongada entre dois montes ou quaisquer superficies,ou seja,vale é a parte mais baixa de uma região. Na Escrituras Hebraicas essa palavra aparece por 188 vezes e veremos nós que quando trazemos o vale para um contexto bíblico,descobriremos que “VALE” ganhará algumas conotações.

1.Vale: Lugar de guerra
Ao estudarmos o Antigo Testamento,especificamente as guerras que entre povos,perceberemos que as batalhas geralmente aconteciam nos vales e não nos montes,logo vale ganha sua primeira conotação. Porém aquele que atravessa o vale da Batalha com o General de Guerra (JESUS) tem vitoria em sua trajetória!

2.Vale: Lugar de Morte
Os sepulcros,principalmente no AT geralmente era nos vales,quando Deus mostrou a Ezequiel o estado no qual o povo se encontrava espiritualmente,ou seja, sem vida e sequíssimos,Deus deu uma visão a Ezequiel no Vale. Assim temos a segunda conotação. Aquele que atravessa o vale da morte firmado em salmos 23:4 não teme.
“Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.”

3 Vale: Lugar da ausência da manifestação de Deus
Sabemos nós que as maiores manifestações de Deus aconteceram nos montes e não nos vales, a Sarça ardente vista por Moises era no monte, Abraão ver a intervenção poderosa de Deus quando está preste a sacrificar o seu filho no monte,e agora vale ganha sua terceira conotação. Ezequiel estava prestes a quebrar esse estigma,pois aquele que desce ao vale ao mandado do SENHOR tanto ver sua manifestação quanto prova do seu Poder em sua vida.

Se estiveres passando pelo vale,seja ele o vale da batalha,da morte ou da ausência da manifestação de Deus,saiba que é exatamente nos vales que Deus nos proporciona experiência intima com Ele.
Quando Deus ordena que seu profeta desça ao vale,Deus não faz isso sem propósito,e logo veremos os propósitos pelos quais Deus levou seu servo ao vale:

1-Deus queria falar com o seu profeta “Desce ao vale e ali falarei contigo” v22 Nos vale se ouve a voz de Deus com mais facilidade,as dificuldades da vida nos torna mais sensíveis a voz de Deus,então muitas vezes Deus nos leva ao vale para falar conosco.

2-Deus queria manifestar a sua glória ao seu profeta “Então me levantei, e saí ao vale; e eis que a glória do Senhor estava ali, como a glória que vi junto ao rio Quebar; e caí com o rosto em terra.”
Nos vales contemplamos a glória de Deus.

Conclusão: Vale representa os momentos críticos e difíceis da nossa vida,onde muitas vezes nos deparamos com grandes batalhas,mortes e até mesmo sentimos a ausência da manifestação de Deus,mas é nesse momento que Deus mostra que não nos abandonou e que neste vale além de ouvirmos a sua poderosa voz ao nos direcionar e consolar,também contemplaremos sua glória e provaremos da sua providencia em meio a dificuldade! Deus opera e se manifesta nos vales da vida,basta estarmos sensíveis para ouvir sua voz ao falar conosco enquanto o atravessamos! Ouça a voz de Deus nos vales e tenha a certeza que Ele não te esqueceu!

domingo, 23 de outubro de 2011

´´ A PALAVRA DO DIA PARA VOCE HOJE´´

"Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido." Josué 1:8

Pensamento: Provavelmente este é o mandamento com promessa que eu mais gosto, começando pela recomendação de não apenas ler, mas meditar na palavra de Deus, para fazer tudo conforme está escrito, e assim como consequência, a promessa de prosperidade e sucesso.

Oração: Senhor Deus, seus mandamentos e promessas são perfeitos demais, muitas vezes não entendemos suas recomendações, mas abra nossos olhos da fé para que possamos nos interessar mais pela Sua palavra e meditar nela dia e noite, e assim possamos aguardar pela prosperidade e sucesso que vem do Senhor, e está muito acima do que o mundo pode oferecer. Amém.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

´´ ENTREGA O TEU CAMINHO AO SENHOR´´

"Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará." Salmos 37:5

Pensamento: Quantas vezes nos pegamos preocupados com as nossas necessidades físicas, financeiras, familiares, sentimentais, entre outras, e esquecemos que existe um Deus no controle de nossas vidas. Quando entregamos o nosso caminho ao senhor devemos confiar e ter a certeza de que Ele tudo fará, como não podemos fazer sozinho, devemos deixar tudo no controle das Suas mãos. O segredo é não tomar de volta a preocupação, pois quando é difícil ainda podemos fazer, mas quando se torna impossível Deus começa a agir.




Oração: Pai. Peço que me ajudes á entregar todas as minhas ansiedades em Tuas mãos e descansar na certeza de que o Senhor sabe o que faz, embora, eu não entenda. Quero confiar plenamente em Teu poder e ter a certeza que podes fazer mais do que eu peço, penso ou sonho. Tudo o que sou, entrego em Tuas mãos, cumpra-se em mim o Teu querer!

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

´MENSAGEM DO DIA ´´

"Mas os que esperam no SENHOR renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam." Isaías 40:31

Pensamento: Antes de levantar vôo a águia fica em um penhasco aguardando até que comece a soprar uma corrente de ar quente em direção ao céu e, lançando-se neste vento, sobe até as maiores alturas. Este "esperar no Senhor" e o "discernir as correntes de ar quente do Espírito Santo" representam as principais etapas do plano de vôo de um cristão. Para aqueles que desejam adorar a Deus e manter comunhão com Ele, é essencial perceber em que direção o Espírito Santo quer fluir e reagir de maneira adequada e sensível (de forma intuitiva) a este mover.

Oração: Senhor Deus ensina-me o segredo das águias, ajuda-me a voar sem bater asas, sendo conduzido pelo fluir da corrente de ar quente do Espirito Santo, que vai em direção ao céu. Leva-me mesmo Pai, as mais altas alturas, aos lugares mais altos e mais longe. Não permita que eu fique parado sem fazer nada, ajuda-me a lançar-me do penhasco na hora certa. Pai querido agora eu entendo Tua palavra, "correm e não se cansam". Eu oro em nome de Jesus. Amém.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

´AS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO MUNDO ´´

As Assembléias de Deus no mundo
A Assembléia de Deus é a maior denominação pentecostal do mundo com aproximadamente 52,5 milhões de membros. O país com o maior número de membros é o Brasil com 8,4 milhões de membros (só 3,6 milhões são associados com a sede dos EUA e o World Assemblies of God Fellowship).
Tradicionalmente reconhece-se o começo do movimento pentecostal contemporâneo como tendo início no ano 1906 em Los Angeles, nos Estados Unidos,na Rua Azuza, onde houve um grande avivamento caracterizado, principalmente, pelo "batismo com o Espírito Santo" evidenciado pelos dons do Espírito (glossolalia, curas milagrosas, profecias, interpretação de línguas e discernimento de espíritos).

Devido à projeção que ganhou na mídia, o avivamento na Rua Azuza rapidamente cresceu e, subitamente, pessoas de todos os lugares do mundo foram conhecer o movimento. No começo, as reuniões na Rua Azuza aconteciam informalmente, eram apenas alguns fiéis que se reuniam em um velho galpão para orar e compartilhar suas experiências, liderados por William Seymour (1870-1922). Rapidamente, grupos semelhantes foram formados em muitos lugares dos EUA, mas, com o rápido crescimento do movimento, o nível de organização também cresceu até o grupo se denominar Missão da Fé Apostólica da Rua Azuza. Alguns fiéis não concordaram com a denominação do grupo.


Logo Assembléia de Deus Americana

Surgiram grupos independentes que emergiram em denominações, como as Assembléias de Deus. Também algumas denominações já estabelecidas adotaram doutrinas e práticas pentecostais, como é o caso da Igreja de Deus em Cristo.

Portugal
Em Portugal, a história desta denominação pentecostal é contada a partir do ano de 1913. Foram os missionários portugueses emigrados do Brasil, José Plácido da Costa (1913) e José de Matos Caravela (1921), que deram início às ações que resultaram na fundação das Assembléias de Deus em Portugal.
A primeira igreja Assembléia de Deus em Portugal foi fundada na cidade de Portimão, em 1924, pelo missionário José de Matos, também responsável pela fundação das igrejas do Algarve, Santarém e Alcanhões. A partir desse ano, com a ajuda de missionários suecos e o esforço de obreiros portugueses, foram estabelecidas diversas outras igrejas em várias cidades, como: Porto, em 1930, com a intervenção do missionário sueco Daniel Berg; Évora, em 1932, pela ação da evangelista Isabel Guerreiro; e Lisboa, em 1934, com a ajuda do missionário Jack Hardstedt.
Da ação missionária das Assembléias de Deus em Portugal deu-se a expansão da igreja aos territórios ultramarinos, a exemplo de: Angola, Guiné, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Timor Leste; os quais posteriormente tornaram-se nações independentes, mas mantiveram suas igrejas Assembléias de Deus nacionais em fraterna relação com as co-irmãs portuguesas.
Em Portugal o ramo principal é a Convenção das Assembléias de Deus em Portugal, com quase 400 igrejas, a maior denominação protestante no país. Além da CADP, existem outras denominações organizadas em Portugal, originárias de imigrantes brasileiros ou cismas da CADP, que adotam o mesmo nome, como a Assembléia de Deus Missionária; Assembléia de Deus Universal; Convenção Nacional das Assembléias de Deus; Igreja de Nova Vida - Assembléia de Deus da Amadora.

Estados Unidos
Nos Estados Unidos, surgiram várias congregações pentecostais independentes, desde o avivamento da Azuza St., em 1906. Buscando unidade, comunhão entre si, trabalho missionário e organização legal, alguns líderes convocaram uma Convenção em Hot Springs, Arkansas, em 1914. Como resultado, houve a adesão de quase 500 ministros e a criação do General Council of the Assemblies of God (Concílio Geral das Assembléias de Deus), mais tarde sediado em Springfield (Missouri). Essa igreja possui, hoje, cerca de dois milhões de membros e envia missionários a vários países do mundo. John Ashcroft, procurador-geral dos EUA durante o primeiro mandado de George W. Bush é membro dessa denominação.
As Assemblies of God apresentam algumas diferenças de sua co-irmã brasileira: no tocante à administração, não existe o sistema de ministérios; cada igreja local é autônoma e não é subordinada a nenhuma outra entidade, mas voluntariamente agrupam-se em presbitérios regionais, onde há igualdade entre todos e contam com a participação de representantes leigos. A congregação local entrevista e contrata o pastor, que é examinado e ordenado pelo Concílio Geral.

Grã-Bretanha e Irlanda
Organizada em 1924, a Assemblies of God in Great Britain and Ireland cresceu sob a influência do pastor Donald Gee. Reúne hoje cerca de 600 igrejas locais e possui uma rede de missionários atuando em vários continentes. Uma característica da AGGBI é a prática da Santa Ceia semanalmente.
Existem ainda Assembléias de Deus compostas por imigrantes caribenhos e brasileiros, cujas igrejas não possuem relações com a AGGBI.

Culto
Os cultos das Assembléias de Deus se caracterizam por orações, cânticos, testemunhos e pregações, em que muitas vezes ocorrem manifestações dos chamados dons espirituais, como profecias e o culto em línguas.

Críticas
A Assembléia de Deus - a exemplo de toda entidade que cresce e conquista espaços no emaranhado da organização social - sofre críticas, tanto por parte de outras denominações religiosas quanto por setores não-religiosos da sociedade civil. O rápido crescimento da igreja tem estimulado diversas produções intelectuais de pesquisadores dos fenômenos sociológicos e antropológicos contemporâneos; ao mesmo tempo em que já gerou apaixonadas controvérsias e discussões, no campo puramente ideológico.

´´ PACTO DE LAUSANNE-SUIÇA ´´

Lausanne, Suíça, 1974

Sumário

Introdução

1. O Propósito de Deus

2. A Autoridade e o Poder da Bíblia

3. A Unicidade e a Universalidade de Cristo

4. A Natureza da Evangelização

5. A Responsabilidade Social Cristã

6. A Igreja e a Evangelização

7. Cooperação na Evangelização

8. Esforço Conjugado de Igrejas na Evangelização

9. Urgência da Tarefa Evangelística

10. Evangelização e Cultura

11. Educação e Liderança

12. Conflito Espiritual

13. Liberdade e Perseguição

14. O Poder do Espírito Santo

15. O Retorno de Cristo

Conclusão


Introdução

Nós, membros da Igreja de Jesus Cristo, procedentes de mais de 150 nações, participantes do Congresso Internacional de Evangelização Mundial, em Lausanne, louvamos a Deus por sua grande salvação, e regozijamo-nos com a comunhão que, por graça dele mesmo, podemos ter com ele e uns com os outros. Estamos profundamente tocados pelo que Deus vem fazendo em nossos dias, movidos ao arrependimento por nossos fracassos e dasafiados pela tarefa inacabada da evangelização.
Acreditamos que o evangelho são as boas novas de Deus para todo o mundo, e por sua graça, decidimo-nos a obedecer ao mandamento de Cristo de proclamá-lo a toda a humanidade e fazer discípulos de todas as nações. Desejamos, portanto, reafirmar a nossa fé e a nossa resolução, e tornar público o nosso pacto.

1. O propósito de Deus

Afirmamos a nossa crença no único Deus eterno, Criador e Senhor do Mundo, Pai, Filho e Espírito Santo, que governa todas as coisas segundo o propósito da sua vontade. Ele tem chamado do mundo um povo para si, enviando-o novamente ao mundo como seus servos e testemunhas, para estender o seu reino, edificar o corpo de Cristo, e também para a glória do seu nome. Confessamos, envergonhados, que muitas vezes negamos o nosso chamado e falhamos em nossa missão, em razão de nos termos conformado ao mundo ou nos termos isolado demasiadamente. Contudo, regozijamonos com o fato de que, mesmo transportado em vasos de barro, o evangelho continua sendo um tesouro precioso. À tarefa de tornar esse tesouro conhecido, no poder do Espírito Santo, desejamos dedicar-nos novamente.

2. A autoridade e o poder da Bíblia

Afirmamos a inspiração divina, a veracidade e autoridade das Escrituras tanto do Velho como do Novo Testamento, em sua totalidade, como única Palavra de Deus escrita, sem erro em tudo o que ela afirma, e a única regra infalível de fé e prática. Também afirmamos o poder da Palavra de Deus para cumprir o seu propósito de salvação. A mensagem da Bíblia destina-se a toda a humanidade, pois a revelação de Deus em Cristo e na Escritura é imutável. Através dela o Espírito Santo fala ainda hoje. Ele ilumina as mentes do povo de Deus em toda cultura, de modo a perceberem a sua verdade, de maneira sempre nova, com os próprios olhos, e assim revela a toda a igreja uma porção cada vez maior da multiforme sabedoria de Deus.

3. A unicidade e a universalidade de Cristo

Afirmamos que há um só Salvador e um só evangelho, embora exista uma ampla variedade de maneiras de se realizar a obra de evangelização. Reconhecemos que todos os homens têm algum conhecimento de Deus através da revelação geral de Deus na natureza. Mas negamos que tal conhecimento possa salvar, pois os homens, por sua injustiça, suprimem a verdade. Também rejeitamos, como depreciativo de Cristo e do evangelho, todo e qualquer tipo de sincretismo ou de diálogo cujo pressuposto seja o de que Cristo fala igualmente através de todas as religiões e ideologias. Jesus Cristo, sendo ele próprio o único Deus-homem, que se deu uma só vez em resgate pelos pecadores, é o único mediador entre Deus e o homem. Não existe nenhum outro nome pelo qual importa que sejamos salvos. Todos os homens estão perecendo por causa do pecado, mas Deus ama todos os homens, desejando que nenhum pereça, mas que todos se arrependam. Entretanto, os que rejeitam Cristo repudiam o gozo da salvação e condenam-se à separação eterna de Deus. Proclamar Jesus como "o Salvador do mundo" não é afirmar que todos os homens, automaticamente, ou ao final de tudo, serão salvos; e muito menos que todas as religiões ofereçam salvação em Cristo. Trata-se antes de proclamar o amor de Deus por um mundo de pecadores e convidar todos os homens a se entregarem a ele como Salvador e Senhor no sincero compromisso pessoal de arrependimento e fé. Jesus Cristo foi exaltado sobre todo e qualquer nome. Anelamos pelo dia em que todo joelho se dobrará diante dele e toda língua o confessará como Senhor.

4. A natureza da evangelização

Evangelizar é difundir as boas novas de que Jesus Cristo morreu por nossos pecados e ressuscitou segundo as Escrituras, e de que, como Senhor e Rei, ele agora oferece o perdão dos pecados e o dom libertador do Espírito a todos os que se arrependem e crêem. A nossa presença cristã no mundo é indispensável à evangelização, e o mesmo se dá com aquele tipo de diálogo cujo propósito é ouvir com sensibilidade, a fim de compreender. Mas a evangelização propriamente dita é a proclamação do Cristo bíblico e histórico como Salvador e Senhor, com o intuito de persuadir as pessoas a vir a ele pessoalmente e, assim, se reconciliarem com Deus. Ao fazermos o convite do evangelho, não temos o direito de esconder o custo do discipulado. Jesus ainda convida todos os que queiram seguilo e negarem-se a si mesmos, tomarem a cruz e identificarem-se com a sua nova comunidade. Os resultados da evangelização incluem a obediência a Cristo, o ingresso em sua igreja e um serviço responsável no mundo.

5. A responsabilidade social cristã

Afirmamos que Deus é o Criador e o Juiz de todos os homens. Portanto, devemos partilhar o seu interesse pela justiça e pela conciliação em toda a sociedade humana, e pela libertação dos homens de todo tipo de opressão. Porque a humanidade foi feita à imagem de Deus, toda pessoa, sem distinção de raça, religião, cor, cultura, classe social, sexo ou idade possui uma dignidade intrínseca em razão da qual deve ser respeitada e servida, e não explorada. Aqui também nos arrependemos de nossa negligência e de termos algumas vezes considerado a evangelização e a atividade social mutuamente exclusivas. Embora a reconciliação com o homem não seja reconciliação com Deus, nem a ação social evangelização, nem a libertação política salvação, afirmamos que a evangelização e o envolvimento sócio-político são ambos parte do nosso dever cristão. Pois ambos são necessárias expressões de nossas doutrinas acerca de Deus e do homem, de nosso amor por nosso próximo e de nossa obediência a Jesus Cristo. A mensagem da salvação implica também uma mensagem de juízo sobre toda forma de alienação, de opressão e de discriminação, e não devemos ter medo de denunciar o mal e a injustiça onde quer que existam. Quando as pessoas recebem Cristo, nascem de novo em seu reino e devem procurar não só evidenciar mas também divulgar a retidão do reino em meio a um mundo injusto. A salvação que alegamos possuir deve estar nos transformando na totalidade de nossas responsabilidades pessoais e sociais. A fé sem obras é morta.

6. A Igreja e a evangelização

Afirmamos que Cristo envia o seu povo redimido ao mundo assim como o Pai o enviou, e que isso requer uma penetração de igual modo profunda e sacrificial. Precisamos deixar os nossos guetos eclesiásticos e penetrar na sociedade não-cristã. Na missão de serviço sacrificial da igreja a evangelização é primordial. A evangelização mundial requer que a igreja inteira leve o evangelho integral ao mundo todo. A igreja ocupa o ponto central do propósito divino para com o mundo, e é o agente que ele promoveu para difundir o evangelho. Mas uma igreja que pregue a Cruz deve, ela própria, ser marcada pela Cruz. Ela torna-se uma pedra de tropeço para a evangelização quando trai o evangelho ou quando lhe falta uma fé viva em Deus, um amor genuíno pelas pessoas, ou uma honestidade escrupulosa em todas as coisas, inclusive em promoção e finanças. A igreja é antes a comunidade do povo de Deus do que uma instituição, e não pode ser identificada com qualquer cultura em particular, nem com qualquer sistema social ou político, nem com ideologias humanas.

7. Cooperação na evangelização

Afirmamos que é propósito de Deus haver na igreja uma unidade visível de pensamento quanto à verdade. A evangelização também nos convoca à unidade, porque o ser um só corpo reforça o nosso testemunho, assim como a nossa desunião enfraquece o nosso evangelho de reconciliação. Reconhecemos, entretanto, que a unidade organizacional pode tomar muitas formas e não ativa necessariamente a evangelização. Contudo, nós, que partilhamos a mesma fé bíblica, devemos estar intimamente unidos na comunhão uns com os outros, nas obras e no testemunho. Confessamos que o nosso testemunho, algumas vezes, tem sido manchado por pecaminoso individualismo e desnecessária duplicação de esforço. Empenhamo-nos por encontrar uma unidade mais profunda na verdade, na adoração, na santidade e na missão. Instamos para que se apresse o desenvolvimento de uma cooperação regional e funcional para maior amplitude da missão da igreja, para o planejamento estratégico, para o encorajamento mútuo, e para o compartilhamento de recursos e de experiências.

8. Esforço conjugado de Igrejas na evangelização

Regozijamo-nos com o alvorecer de uma nova era missionária. O papel dominante das missões ocidentais está desaparecendo rapidamente. Deus está levantando das igrejas mais jovens um grande e novo recurso para a evangelização mundial, demonstrando assim que a responsabilidade de evangelizar pertence a todo o corpo de Cristo. Todas as igrejas, portando, devem perguntar a Deus, e a si próprias, o que deveriam estar fazendo tanto para alcançar suas próprias áreas como para enviar missionários a outras partes do mundo. Deve ser permanente o processo de reavaliação da nossa responsabilidade e atuação missionária. Assim, haverá um crescente esforço conjugado pelas igrejas, o que revelará com maior clareza o caráter universal da igreja de Cristo. Também agradecemos a Deus pela existência de instituições que laboram na tradução da Bíblia, na educação teológica, no uso dos meios de comunicação de massa, na literatura cristã, na evangelização, em missões, no avivamento de igrejas e em outros campos especializados. Elas também devem empenhar-se em constante auto-exame que as levem a uma avaliação correta de sua eficácia como parte da missão da igreja.

9. Urgência da tarefa evangelística

Mais de dois bilhões e setecentos milhões de pessoas, ou seja, mais de dois terços da humanidade, ainda estão por serem evangelizadas. Causa-nos vergonha ver tanta gente esquecida; continua sendo uma reprimenda para nós e para toda a igreja. Existe agora, entretanto, em muitas partes do mundo, uma receptividade sem precedentes ao Senhor Jesus Cristo. Estamos convencidos de que esta é a ocasião para que as igrejas e as instituições para-eclesiásticas orem com seriedade pela salvação dos não-alcançados e se lancem em novos esforços para realizarem a evangelização mundial. A redução de missionários estrangeiros e de dinheiro num país evangelizado algumas vezes talvez seja necessária para facilitar o crescimento da igreja nacional em autonomia, e para liberar recursos para áreas ainda não evangelizadas. Deve haver um fluxo cada vez mais livre de missionários entre os seis continentes num espírito de abnegação e prontidão em servir. O alvo deve ser o de conseguir por todos os meios possíveis e no menor espaço de tempo, que toda pessoa tenha a oportunidade de ouvir, de compreender e de receber as boas novas. Não podemos esperar atingir esse alvo sem sacrifício. Todos nós estamos chocados com a pobreza de milhões de pessoas, e conturbados pelas injustiças que a provocam. Aqueles dentre nós que vivem em meio à opulência aceitam como obrigação sua desenvolver um estilo de vida simples a fim de contribuir mais generosamente tanto para aliviar os necessitados como para a evangelização deles.

10. Evangelização e cultura

O desenvolvimento de estratégias para a evangelização mundial requer metodologia nova e criativa. Com a bênção de Deus, o resultado será o surgimento de igrejas profundamente enraizadas em Cristo e estreitamente relacionadas com a cultura local. A cultura deve sempre ser julgada e provada pelas Escrituras. Porque o homem é criatura de Deus, parte de sua cultura é rica em beleza e em bondade; porque ele experimentou a queda, toda a sua cultura está manchada pelo pecado, e parte dela é demoníaca. O evangelho não pressupõe a superioridade de uma cultura sobre a outra, mas avalia todas elas segundo o seu próprio critério de verdade e justiça, e insiste na aceitação de valores morais absolutos, em todas as culturas. As missões, muitas vezes têm exportado, juntamente com o evangelho, uma cultura estranha, e as igrejas, por vezes, têm ficado submissas aos ditames de uma determinada cultura, em vez de às Escrituras. Os evangelistas de Cristo têm de, humildemente, procurar esvaziar-se de tudo, exceto de sua autenticidade pessoal, a fim de se tornarem servos dos outros, e as igrejas têm de procurar transformar e enriquecer a cultura; tudo para a glória de Deus.

11. Educação e liderança

Confessamos que às vezes temos nos empenhado em conseguir o crescimento numérico da igreja em detrimento do espiritual, divorciando a evangelização da edificação dos crentes. Também reconhecemos que algumas de nossas missões têm sido muito remissas em treinar e incentivar líderes nacionais a assumirem suas justas responsabilidades. Contudo, apoiamos integralmente os princípios que regem a formação de uma igreja de fato nacional, e ardentemente desejamos que toda a igreja tenha líderes nacionais que manifestem um estilo cristão de liderança não em termos de domínio, mas de serviço. Reconhecemos que há uma grande necessidade de desenvolver a educação teológica, especialmente para líderes eclesiáticos. Em toda nação e em toda cultura deve haver um eficiente programa de treinamento para pastores e leigos em doutrina, em discipulado, em evangelização, em edificação e em serviço. Este treinamento não deve depender de uma metodologia estereotipada, mas deve se desenvolver a partir de iniciativas locais criativas, de acordo com os padrões bíblicos.

12. Conflito espiritual

Cremos que estamos empenhados num permanente conflito espiritual com os principados e potestades do mal, que querem destruir a igreja e frustrar sua tarefa de evangelização mundial. Sabemos da necessidade de nos revestirmos da armadura de Deus e combater esta batalha com as armas espirituais da verdade e da oração. Pois percebemos a atividade no nosso inimigo, não somente nas falsas ideologias fora da igreja, mas também dentro dela em falsos evangelhos que torcem as Escrituras e colocam o homem no lugar de Deus. Precisamos tanto de vigilância como de discernimento para salvaguardar o evangelho bíblico. Reconhecemos que nós mesmos não somos imunes ao perigo de capitularmos ao secularismo. Por exemplo, embora tendo à nossa disposição pesquisas bem preparadas, valiosas, sobre o crescimento da igreja, tanto no sentido numérico como espiritual, às vezes não as temos utilizado. Por outro lado, por vezes tem acontecido que, na ânsia de conseguir resultados para o evangelho, temos comprometido a nossa mensagem, temos manipulado os nossos ouvintes com técnicas de pressão, e temos estado excessivamente preocupados com as estatísticas, e até mesmo utilizando-as de forma desonesta. A igreja tem que estar no mundo; o mundo não tem que estar na igreja.

13. Liberdade e perseguição

É dever de toda nação, dever que foi estabelecido por Deus, assegurar condições de paz, de justiça e de liberdade em que a igreja possa obedecer a Deus, servir a Cristo Senhor e pregar o evangelho sem impedimentos. Portanto, oramos pelos líderes das nações e com eles instamos para que garantam a liberdade de pensamento e de consciência, e a liberdade de praticar e propagar a religião, de acordo com a vontade de Deus, e com o que vem expresso na Declaração Universal do Direitos Humanos. Também expressamos nossa profunda preocupação com todos os que foram injustamente encarcerados, especialmente com nossos irmãos que estão sofrendo por causa do seu testemunho do Senhor Jesus. Prometemos orar e trabalhar pela libertação deles. Ao mesmo tempo, recusamo-nos a ser intimidados por sua situação. Com a ajuda de Deus, nós também procuraremos nos opor a toda injustiça e permanecer fiéis ao evangelho, seja a que custo for. Não nos esqueçamos de que Jesus nos previniu de que a perseguição é inevitável.

14. O poder do Espírito Santo

Cremos no poder do Espírito Santo. O pai enviou o seu Espírito para dar testemunho do seu Filho. Sem o testemunho dele o nosso seria em vão. Convicção de pecado, fé em Cristo, novo nascimento cristão, é tudo obra dele. De mais a mais, o Espírito Santo é um Espírito missionário, de maneira que a evangelização deve surgir espontaneamente numa igreja cheia do Espírito. A igreja que não é missionária contradiz a si mesma e debela o Espírito. A evangelização mundial só se tornará realidade quando o Espírito renovar a igreja na verdade, na sabedoria, na fé, na santidade, no amor e no poder. Portanto, instamos com todos os cristãos para que orem pedindo pela visita do soberano Espírito de Deus, a fim de que o seu fruto todo apareça em todo o seu povo, e que todos os seus dons enriqueçam o corpo de Cristo. Só então a igreja inteira se tornará um instrumento adequado em Suas mãos, para que toda a terra ouça a Sua voz.

15. O retorno de Cristo

Cremos que Jesus Cristo voltará pessoal e visivelmente, em poder e glória, para consumar a salvação e o juízo. Esta promessa de sua vinda é um estímulo ainda maior à evangelização, pois lembramo-nos de que ele disse que o evangelho deve ser primeiramente pregado a todas as nações. Acreditamos que o período que vai desde a ascensão de Cristo até o seu retorno será preenchido com a missão do povo de Deus, que não pode parar esta obra antes do Fim. Também nos lembramos da sua advertência de que falsos cristos e falsos profetas apareceriam como precursores do Anticristo. Portanto, rejeitamos como sendo apenas um sonho da vaidade humana a idéia de que o homem possa algum dia construir uma utopia na terra. A nossa confiança cristã é a de que Deus aperfeiçoará o seu reino, e aguardamos ansiosamente esse dia, e o novo céu e a nova terra em que a justiça habitará e Deus reinará para sempre. Enquanto isso, rededicamo-nos ao serviço de Cristo e dos homens em alegre submissão à sua autoridade sobre a totalidade de nossas vidas.

Conclusão

Portanto, à luz desta nossa fé e resolução, firmamos um pacto solene com Deus, bem como uns com os outros, de orar, planejar e trabalhar juntos pela evangelização de todo o mundo. Instamos com outros para que se juntem a nós. Que Deus nos ajude por sua graça e para a sua glória a sermos fiéis a este Pacto! Amém. Aleluia!

´´ TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO´´

A Teologia da Libertação foi apresentada em 1968 na segunda conferência latino-americano dos Bispos que se encontravam em Medellín, Colômbia. A idéia era estudar a Bíblia e lutar por justiça social nas comunidades cristãs, nivelando-as aos mais bem sucedidos naquela e noutras sociedades. O projeto de redistribuição das riquezas para melhorar os padrões econômicos dos pobres na América do Sul, tomou a cor e o sabor pragmático do Marxismo. Em consequência de seus ensinamentos marxistas-leninistas, a teologia da libertação, como praticada pelos bispos e padres de América do Sul, foi criticada nos anos 80 pela própria hierarquia da Igreja Católica Apostólica Romana. Os superiores dessa Igreja acusou os teólogos da libertação e justiça social em suportar as violentas revoltas e lutas de classes marxistas naquele hemisfério. Essa perversão, com tônica teológica e espiritualista, foi geralmente o resultado de uma ferrenha oposição e defesa dos humanistas seculares internacionais, como Leonardo Boff, do Brasil; Jon Sobrino, de El Salvador e Gustavo Gutiérrez, do Peru. Todos eles labutaram com o sobre-tudo da religião, ancorados, porém, na filosofia revolucionária de Karl Max, da antiga União Soviética!

Entretanto, a igreja primitiva e a contemporânea, seguiu, e segue firme nos passos e ensinamentos de Jesus Cristo, em cuidar dos domésticos da fé, numa atitude liberal, porém jamais institucionalizada ou desconstruida. Na afirmação correta de Jesus sobre “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus.” (Mt 22.21), ele reconheceu os dois governos distintos: o Reino de Deus — a igreja de Jesus Cristo, e o reino deste mundo — o estado secular. Para os Israelitas, a “justiça social” era liberal e pessoal — “Semelhantemente não rabiscarás a tua vinha, nem colherás os bagos caídos da tua vinha; deixá-los-ás ao pobre e ao estrangeiro” (Lv 19.10). Infelizmente, pela intrusão do pecado no mundo, os valores morais e sociobiológicos da criação foram deteriorados. Como resultado, jamais haverá perfeita igualdade social entre os homens. Sempre houve, e sempre haverá, o bem e mau sucedido — “pois nunca cessará o pobre do meio da terra;” (Dt 15.11).

Para a igreja, entretanto, a “justiça social” vai além de uma instrução institucionalizada; ela sai dos corações piedosos dos crentes que, dando tudo, como no caso de Barnabé, natural de Chipre, que “possuindo uma herdade, vendeu-a, e trouxe o preço, e o depositou-a aos pés dos apóstolos” (At 4.37); ou entregando apenas uma parte, como no caso de Ananias, o qual mereceu a pronta exortação de Pedro sobre a liberdade de reter ou entregar, pois, “Guardando-a, não ficava para ti” (At 5.4). Por longos anos a Igreja Assembléia de Deus no Brasil, e outras tradicionais denominações, têm utilizado essa prática bíblica de ajudar aos domésticos da fé, na manutenção de asilos, orfanatos, casa de recuperação, cestas básicas e auxílio às viúvas e desamparados — “não havia, pois, entre eles necessitados algum.” (At 4.34). Enquanto, ao mesmo tempo, seus membros contribuem com seus variados impostos para que o governo secular providencie benefícios sociais para a sua população menos favorecidas. Nenhuma criança deve ser privada de escola e todo jovem deve ter direito à universidade. Melhor situação econômica para todos é uma extrema necessidade.

Entretanto, não nos iludamos: o problema básico do ser humano não é pobreza ou ignorância. Nossa moeda tem duas faces: Igreja e Estado! Himmler, assessor de Hitler era doutor em Filosofia. Os fétidos experimentos nazistas em mulheres grávidas foram feitos por médicos. As câmaras de gás foram construídas por engenheiros. O problema básico do ser humano, mesmo desagradando aos humanistas, é o pecado. "Eis que eu nasci em iniquidade e em pecado me concebeu minha mãe" (Sl 51:5). Um Adão caído gerou um filho "à sua semelhança, conforme a sua imagem" (Gn 5.3). Caído, separado do Criador! Educação, assistência social, distribuição de renda e saúde são bandeiras válidas e necessárias para a sociedade. Mas a maior necessidade do homem de hoje é a mesma de sempre: arrependimento do pecado e mudança de vida. O novo mundo não virá pela ressonante educação ou justiça social revolucionária, mas pela conversão: "Se alguém está em Cristo, nova criação é; as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo" (2 Co 5.17). Esta é a maior necessidade do homem: mudança em Cristo!

A linguagem, justiça social, teologia da libertação e teologia negra utilizada convenientemente em algumas tribunas evangélicas, e pelos representantes políticos das nações, é economicamente marxista, e politicamente comunista; não cabendo, portanto, sequer ser mencionada no seio da igreja santa de Nosso Senhor Jesus Cristo, “pois o meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.” (Fp 4.19). A filosofia vegetativa e humanística de Karl Marx, Vladimir Lênin, Adolfo Hitler, Benito Mussolini e outros da galeria dos pagãos ateus desta sociedade em decadência, não podem servir de orientação para o povo de Deus. Exceto, obviamente, para a igreja pós-moderna e emergente, plataforma progressiva religiosa do Anticristo!